A origem do “idiota útil” e o marxismo cultural

Publicado: dezembro 30, 2013 em Marxismo

Muitos se perguntam como a ideologia comunista – a mais nociva da história – persiste através dos tempos? A resposta é simples: graças aos chamados “idiotas úteis”. Embora não haja nenhuma conclusão com relação à origem do termo politico idiota útil, seu significado dirige-se a manipulação ideológica causada pela doutrina socialista. A origem deste termo é antiga e remota a década ao início da Revolução Russa. Lenin contava com um grupo seleto de propagandistas que visavam à agitação e a doutrinação dentro do pensamento comunista a fins de criar sua hegemonia política. Este poder aumentara com a Terceira Internacional em Março de 1919, quando partidos comunistas de todo mundo se uniram a fins de traçar as medidas necessárias para disseminar seus ideais. O interesse destes propagandistas comunistas era megalomaníaco: disseminar o comunismo pelo mundo, intentando sua total dominação. Para tanto, eles contavam com dirigentes espalhados por todo o globo.

Na obra Lenin: Vida e Legado, o historiador russo Dmitri Volkogonov cita que o corpo propagandista tornou-se a mais poderosa ferramenta do Partido Comunista da Rússia a níveis internacionais.  Em poucos anos, os propagandistas comunistas tiveram êxito em todo mundo, uma vez que pagavam caro pela adoração a seu modelo. Volkogonov cita que os bens confiscados da burguesia, ouro czarista e relíquias subtraídas da igreja foram revertidos em rublos, marcos, libras, dólares, coroas e assim por diante, a fins de manter um esquema de propina caro e arrojado. Os partidos comunistas da Itália, França, Alemanha, Coréia, Hungria, Bulgária estavam entre os beneficiários da generosidade de Lenin. Mas um dos maiores era o Partido Comunista EUA. O dinheiro enviado ao mundo todo servia para criar propaganda em jornais, criar partidos e movimentos revolucionários. Segundo os levantamentos de Volkogonov o dinheiro gasto em publicidade excedia em muito os recursos gastos para aliviar a fome que matara seis milhões de pessoas em 1921.

Para receber o financiamento soviético era necessária a aceitação de um grande número de condições, tais como a total sujeição às ordenações pelo Kremlin: “O Partido Comunista só vai ser capaz de cumprir seu papel se for organizado de uma forma totalmente centralizada, se sua disciplina de ferro for tão rigoroso quanto o de qualquer exército e se a sua organização central varrer poderes autorizada a exercer autoridade inconteste, gozando da confiança unânime dos seus membros”, disse Lenin No mesmo congresso em 1920, Lenin disse a seu novo corpo de comunistas estrangeiros que não deveriam ser “exclusivamente doutrinários”, mas “flexíveis” sem “desprezar as oportunidades que o mundo capitalista tem recursos através de suas liberdades podres”. De acordo com o historiador Adam Ulam em Os bolcheviques de 1965, os comunistas não deveriam perde a chance de usar o poder público, sindicatos ou partidos socialistas oportunistas. Eles desejavam contar mentiras até que se tornassem verdades – algo seguido pelo propagandista nazista Joseph Goebbels.

Entre a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, vários economistas e cientistas políticos notaram os intentos nazistas, fascistas e comunistas. Dentre eles estavam Hayek e Mises. Em 1944 Hayek havia publicado O Caminho da Servidão, no qual questionava o planejamento central, alegando que levaria irredutivelmente à opressão. Eles tentariam tirar do homem o direito de escolha e assim, toda a liberdade. Hayek cita: “O que querem é simplesmente que a escolha não seja necessária. Por isso acreditam com muita facilidade que ela de fato não o é, e que não passa de uma imposição do sistema econômico existente”. Hayek também cita que seu ideal nunca fora propagar um conhecimento econômico legitimo: “Mas, embora esse chamariz tenha servido à propaganda socialista através de várias denominações desde o aparecimento do socialismo, sua falsidade é tão palpável como quando foi utilizada a primeira vez a mais de cem anos. Durante todo este tempo, nem uma só das muitas pessoas que o usaram apresentou um plano viável para aumentar a produção de modo a se abolir o que chamamos de pobreza- nem mesmo na Europa Ocidental, para não falar no resto do mundo”.

Outro proeminente autor a identificar a origem dos “idiotas úteis” fora Mises que praticamente citou o termo similar: “inocentes uteis” em sua obra Caos Planejado de 1947. Segundo Mises, o termo fora usado por comunistas para classificar economistas liberais que se deixavam influenciar pelas perspectivas comunistas quase que inconscientemente. Um ano antes, este termo fora cunhado em um artigo escrito pelo historiador croata Bogdan Raditsa para revista norte-americana Reader Digest’s intitulado: A Trágica Lição da Iugoslávia para o Mundo onde criticava o governo socialista de Tito advertindo os americanos a não cair em falsos slogans publicitários. De toda forma, o termo “idiota útil” bem descreve uma tendência que viria a predominar no mundo acadêmico de todo mundo: pessoas de todas as idades doutrinadas pelas equivocadas teorias marxistas – mesmo que sejam de fácil refutação teórica e histórica. Esta inclinação deve-se primeiro a Lenin e sua publicidade bem elaborada pelo propagandista Willi Munzenberg e em segundo por aquilo que viria a ser considerado “marxismo cultural” da escola de Frankfurt.

Referências: 

Lenin: Vida e Legado – Dmitri Volkogonov

Os bolcheviques – Adam Ulam

O Caminho da Servidão – Friedrich Hayek

Caos Planejado – Ludwig Von Mises

A Trágica Lição da Iugoslávia para o Mundo – Bogdan Raditsa

idiotautil

Christiano di Paulla

comentários
  1. […] Gabriela Garcia é uma idiota útil (leiam mais aqui e aqui). Desconhece que feministas nascem do marxismo e comunismo (vejam mais aqui) apoiam a pedofilia, o […]

  2. O comunismo persiste graças a democracia a sua aliada da Segunda Guerra! No Leste Europeu o comunismo caiu como um chiqueiro podre em 1989, porque os comunistas sã covardes, medrosos, cagões e traidores!

  3. Marta disse:

    Olá, reparei nas referencias bibliográficas q vc postou e tenho interesse em saber se alguma delas contém aquela citação atribuída a Lenin “Usaremos o idiota útil […] o Estado será deus.” É q sou estudante de Direito e um professor meu de Sociologia duvidou q a frase seja de Lenin. Gostaria de comprovar q ele está errado. Desde já agradeço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s