Antissemitismo, comunismo e nazismo

Publicado: maio 21, 2013 em Nazismo
Tags:, , , , ,

Nazismo, fascismo e comunismo são doutrinas com a mesma origem, cujos métodos são semelhantes e que cumprem o mesmo propósito: a destruição do livre mercado, das liberdades individuais e da democracia. Seu anseio é o estabelecimento de um regime totalitário que supostamente reformaria o homem levando-a a um estado social perfeito. Assim o Estado tomaria as régias da vida privada e do mercado parcialmente (nazifascismo) ou absolutamente (marxismo). Comunistas e nazifascistas no século XXI se digladiam sem o menor sentido, senão pelo fato de que no passado, lutavam pelo mesmo território, como bem cita Ayn Rang. Os comunistas contestam este fato, em dois argumentos tacanhos: alegam que Marx era judeu e que Stalin se opôs a Hitler. Esta consideração é de fato tacanha, pois Marx desprezava o judaísmo, além de ansiar pela destruição de todas as religiões. Tal argumento também desprezam o fato de que nazistas e comunistas foram primazes aliados, através do Pacto de Molotov-Ribbentrop. Para demonstrar a natureza antissemita de Marx e sua relação com o nazismo devemos ir de encontro ao conhecimento histórico tão obliterado pela esquerda em nosso tempo.

Primeiramente vale lembrar, que antissemitismo é uma concepção antiga e remota a antiguidade clássica. Todavia, o termo fora cunhado na modernidade pelo austríaco Wilhelm Marr a partir da publicação do livro Der Sieg der lidenthums über der Germanenthum (A Vitória do Judaísmo sobre o Germanismo) em 1879. Neste livro, Marr teoriza que judeus e alemães viviam em um conflito de longa data, com a ressalta de que os judeus foram os vencedores, graças a uma emancipação política e econômica advinda do liberalismo. Esta emancipação supostamente vos permitira governar as finanças e a indústria alemã. Para ele, esta luta somente findaria com a morte definitiva de uma das partes. Esta concepção é análoga ao sentimento compartilhado por vários intelectuais germânicos, dentre eles os tão conhecidos marxista. É exatamente este viés teórico que o antissemitismo proliferou-se entre os socialistas e anarquistas, de Fourier à Proudhon. Marx ampliou estas premissas, associado os judeus ao comércio e a instituição privada, tanto que alguns de seus seguidores, como Duhring e Lasselle usaram do antissemitismo como base para sua concepção anticapitalista.

Como Judeu, Marx renegou suas origens. Neto de rabino e filho de judeus praticantes, seu verdadeiro nome era Moses Mordechai Levi. Em três de suas obras, encontramos todo seu grau de antissemitismo: A Questão dos Judeus, A Ideologia Alemã e A Sagrada Família (título sarcástico que ironizava a juventude hegeliana). Ele deixa claro não somente seu desprezo ao judaísmo, mas também ao cristianismo e pela instituição religiosa. Em A Questão dos Judeus suas concepções são claras: “O Estado pode e deve prosseguir na abolição e na destruição da religião”. Os motivos que levaram Marx a se voltar contra o judaísmo e toda religião são óbvios: o tempo é uma instituição privada dividia entre classes. Sinagogas pertencem aos judeus, Igrejas Católicas ao Vaticano, Mesquitas ao Islã etc. Nestes templos as regras são ditadas por níveis hierárquicos, ou seja: classes. Para que o comunismo possa vigorar, toda propriedade e classes devem desaparecer. Marx compreendia estes fatos, portanto sua teoria deveria abolir a instituição privada e qualquer ordenação advinda dela a fins de estabelecer a ditadura do proletariado.

Como descendente de judeus, o antissemitismo emergiu como a base de seu pensamento. Segundo Marx: “O dinheiro é o ciumento deus de Israel, a cujo lado nenhuma outra divindade pode existir. O dinheiro rebaixa todos os deuses do Homem e transforma-os em mercadoria” (…) “O deus dos judeus foi secularizado e tornou-se o deus deste mundo. O câmbio é o deus real dos judeus. O seu deus é apenas o câmbio ilusório. A percepção que se obteve da natureza, sob o império da propriedade privada e do dinheiro, é o real desprezo, a degradação prática da natureza, que existe de fato na religião judaica, mas só na imaginação.” (…) “O que se contém de forma abstrata na religião judaica – o desprezo pela teoria, pela arte, pela história, e pelo homem como fim em si mesmo – é o ponto de vista real, consciente e a virtude do homem de dinheiro. A nacionalidade quimérica do judeu é a nacionalidade do negociante e, acima de tudo, do financeiro. Sem base ou razão. A lei do judeu não passa de caricatura”.

Marx e Hitler desprezavam os judeus e argumentavam que eles se apropriavam de todo o capital. Segundo eles, os judeus não detinham crenças, cultura ou arte e os elementos de seu mundo eram meras mercadorias. Para eles, a natureza judaica era capitalista, portanto deveriam ser extirpados para o renascimento de um novo homem igualitário e sem ambições. A economia de mercado seria apenas uma noção burguesa e inimiga da nova sociedade. Embora Hitler rejeitasse o marxismo, pois o associava de forma descabida ao judaísmo, deixou clara sua influencia: “Eu aprendi muito do marxismo, e eu não sonho esconder isso. (…) O que me interessou e me instruiu nos marxistas foram os seus métodos.” Hitler também definiu suas várias diferenças“Meu socialismo é outra coisa que o marxismo. Meu socialismo não é a luta de classes, mas a ordem”. O ditador colocava o socialismo alemão como superior ao marxismo:O nacional socialismo é aquilo que o marxismo poderia ter sido se ele fosse libertado dos entraves estúpidos e artificiais de uma pretensa ordem democrática” .

Para Hitler, o marxismo era simplório e reducionista, pois arruinava todo o avanço da humanidade, tinha como pretensão uma fraca democracia e anulava toda a individualidade. No nazismo, o individualismo seria sujeitado à nação, mas não extirpado. Sobretudo, seus métodos de doutrinação eram os mesmos: se opunham a economia de livre mercado, sem refutar seus argumentos, o que consiste em um nítido polilogismo, como bem teorizara Mises. Polilogismo refere-se a uma falácia retórica ataca o argumentador ao situa o pensamento lógico como distinto por classes e raças. Em lógica, as inter-relações humanas são baseadas em um ponto comum o que permite e argumentação e refutação. Ao invés de discorrer nestes parâmetros eles supõe um novo “segmento lógico”. Isto é tipicamente usado por socialistas na atualidade, que uma vez sem recursos, referem-se aos contra-argumento liberais como  uma lógica burguesa” tal Hitler pregava como “pensamento judeu”. Em comum haviam ainda mais pontos: Hitler e Marx criavam uma falsa dicotomia social, combatiam o individualismo, além de opressores da religião. Suas origens, métodos e intentos são os mesmos.

Referências:

Moshe Zimmermann –  Wilhelm Marr: O Patriarca de Anti-semitismo

Wilhelm Marr – Der Weg zum Siege des Germanenthums über das Judenthum

Karl Marx – Sobre a Questão Judaica Adolph Hitler e  Hermann Rauschning – Hitler m´a dit, Coopération

Ludwig Von Mises – Omnipotent Government: The Rise of Total State and Total War

Karl Marx-horz Marx pregava a luta de classe enquanto Hitler, a luta entre raças. Marx pregou o comunismo como posterior à transição do capitalismo para o socialismo. Hitler contentava-se apenas com a primeira etapa. Christiano Di Paulla

comentários
  1. José Báez disse:

    verdadeiro : El antijudaismo, el nazismo y el Karl Marx .Antisemitisimo é sionosimo. Verbaderos semitas são palestino. Judeus europeus semitas assim. http://www.publico.es/…/el-pueblo-judio-es-una-invencion

  2. José Báez disse:

    Antisemitisimo é sionosimo. Verbaderos semitas são palestino.Judeus europeus não são semitas . http://www.publico.es/…/el-pueblo-judio-es-una-invencion

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s